Brasileiros condenados à prisão perpétua nos EUA podem ser soltos por falha no processo.

08-09-2010 14:42

Brasileiros condenados à prisão perpétua nos EUA podem ser soltos por falha no processo

Ambos são acusados de atuar como coiotes na fronteira entre o México e os Estados Unidos

Agência Brasil

Condenados à prisão perpétua por sequestro e tráfico de pessoas na Califórnia, nos Estados Unidos, dois brasileiros devem conseguir a revisão da pena e até retornar ao Brasil. Apontados como “coiotes” (pessoas que fazem o transporte ilegal de imigrantes), Alaor do Carmo de Oliveira Júnior e Reynaldo Eid Júnior apelaram ao Tribunal de Recurso da Califórnia e o processo deles será submetido a novo julgamento em outubro.

De acordo com a sentença anunciada esta semana, descrita em 28 páginas, “a decisão [da prisão perpétua] é revertida e o caso foi reenviado para um novo julgamento perante júri instruído, de acordo com as opiniões expressas no presente parecer”. O parece diz ainda que houve “erros preliminares” no encaminhamento do processo.

Em março de 2009, Oliveira Júnior e Eid Júnior foram condenados pelo sequestro de uma brasileira e da filha dela. Mas, em maio deste ano, os dois recorreram e conseguiram o arquivamento da sentença. No entanto, ambos seguem presos em uma penitenciária da Califórnia aguardando a revisão da sentença.

De acordo com o processo que culminou na prisão dos "coiotes", o marido da brasileira, que vivia na Flórida desde 2004, se dispôs a pagar US$ 14 mil para que a mulher e o filho entrassem ilegalmente nos Estados Unidos. Porém, o pagamento não foi feito porque o homem que negociou com Oliveira Júnior e Eid Júnior disse não dispor da quantia acertada. Sem o dinheiro, eles mantiveram a mulher e a criança presos em um hotel. O caso foi descoberto por uma amiga da família que fez a denúncia de sequestro e tráfico de pessoas à polícia californiana.

Fonte: http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,EMI166805-15228,00.html

 

 

Voltar

Procurar no site

© 2010 Todos os direitos reservados.